Atualizado em 10/6/2019

Este tópico cobre os aspectos mais comuns relacionados à saúde dos Furões como cuidados e doenças mais comuns.


 

ATENÇÃO !

Este tópico tem caráter informativo apenas ! Não sou médico veterinário !

Devido ao tamanho, o assunto foi dividido em quatro tópicos:

IMG_0875.JPG

 

Tópicos abordados neste tópico:

  • Choque térmico (não negligencie, especialmente vivendo em locais quentes)
  • Parasitas internos e externos mais comuns
  • Doença adrenal (glândula supra renal ou AD renal)
  • Insulinoma
  • Linfoma
  • ADV (Virus Aleutiano)
  • Úlcera, Gastrite e Bloqueios Intestinais
  • Gripe
  • Diabetes
  • ECE (Enterite Catarral Enterotrópica, Gosma verde, Green Slime)
  • Raiva
  • Cinomose (Esgana Canina)
  • Desidratação
  • EGE (Gastroenterite Eosinófila)
  • Cardiomiopatia
  • Vomitos
  • Diarréia
  • Prisão de ventre
  • Babando
  • Perda de pelos
  • Coceira
  • Manchas vermelhas
  • Espirros
  • Soluços
  • Aumento do baço
  • Anemia, Anemia Aplástica
  • Tremores
  • Cuidados gerais
  • Higiene básica
  • Esterelização / Castração

Antes de prosseguir, leia atentamente:

O material aqui comentado e exposto é para referência e não deve ser entendido como um guia de diagnóstico e tratamento pois isso é função exclusiva de médicos veterinários especializados em animais exóticos, como os furões.

É ABSOLUTAMENTE INDISPENSÁVEL LEVAR SEU FURÃO AO VETERINÁRIO PELO MENOS A CADA SEIS MESES. PROBLEMAS DE FÁCIL RESOLUÇÃO QUANDO DETECTADOS NO INÍCIO PODEM TORNAR-SE UMA AMEAÇA SÉRIA EM POUCO TEMPO.

NÃO TENTE DIAGNOSTICAR NEM MEDICAR SEU FURÃO POR CONTA PRÓPRIA SEM O DEVIDO CONHECIMENTO E TREINAMENTO. ISSO É UMA DAS MAIORES CAUSAS DE MORTALIDADE NESSES ANIMAIS !

SEMPRE CONSULTE UM VETERINÁRIO ESPECIALIZADO EM FURÕES !

A maioria das fontes de informação usadas como referência para este tópico estão escritas em inglês, italiano, espanhol ou francês. Muitas vezes, dada a complexidade de um determinado assunto, faz-se necessário que haja a indicação direta da fonte nesses idiomas sem tradução. O intuito aqui é ADAPTAR o material para o português, e não fazer simplesmente uma tradução

Note que existem muito mais situações e problemas relacionados com a saúde dos Furões do que os abordados aqui. O assunto seria tão extenso quanto se fosse sobre a saúde humana, pois afinal humanos e mustelídeos são mamíferos e compartilham uma imensa gama de parâmetros biológicos.

LEIA ATÉ O FINAL ! O assunto é importante e pode salvar a vida do seu amigo !

Regras de Ouro para o Bem-estar do seu amigo furão

  • Alimentação adequada
  • Exercícios físicos regulares
  • Mante-los intelectualmente interessados (1)
  • Vacinação contra as doenças mais perigosas (raiva, cinomose, etc)
  • Não submeter a stress (3)
  • Não deixar preso (1)
  • Estar atento aos perigos
  • Não expor a temperaturas altas !
  • Manter a hidratação ! Jamais permitir que seu furão fique desidratado, mantenha ampla oferta de água limpa, tocada pelo menos duas vezes por dia ! Furões precisam de hidratação constante !
  • Fazer check-ups regulares junto ao veterinário
  • Respeitar os períodos de repouso em escuridão total (2)

 

(1) – Furões que não são estimulados com brincadeiras e desafios tendem a ficar depressivos.

(2) – Relacionado com a chamada doença adrenal, comentada mais adiante.

(3) – Exemplos de stress: Gritarias, agressões, provocações, punições inadequadas, barulho excessivo.

O principal é estar sempre atento ao comportamento do animal, e qualquer mudança dever ser considerada seriamente, justificando uma visita ao veterinário. É importante saber reconhecer sinais de desconforto e dor.

Um excelente guia sobre doenças em furões (em inglês) existe no site petmd.com. Vale a pena dar uma olhada.

Como todo mamífero, furões são suscetíveis a diversos tipos de tumores benignos e malignos. Os mais comuns são no trato digestivo e nas glândulas supra renais (adenomas).

É necessária pelo menos uma visita semestral a um veterinário qualificado para um check-up preventivo.


 

I – Classificação de problemas de saúde por urgência

  1. BAIXA
  2. MODERADA
  3. ALTA
  4. URGENTISSIMA
  5. FATAL em 100% dos casos

1 – Choque Térmico – GRAU 4

Furões são animais de clima FRIO. O Brasil é um país de clima QUENTE, e o nosso frio aqui é o, digamos, o quente suportável para eles.

O mesmo alerta é válido para países como Brasil, Portugal, França, Itália e Espanha, onde as temperaturas no verão podem chegar facilmente a níveis muito perigosos para os furões, especialmente ao sul (Algarve, Alentejo, Andalucia). Claro que existem outros países igualmente quentes ou mais, então é pura questão de bom senso.

A zona térmica de conforto para furões é de 14 a 21 graus Celcius. Acima disso já não é uma boa, sendo que acima de 26 graus já existe risco real de choque térmico.

Atenção !

Se um furão for exposto por mais de 10 minutos a temperaturas acima de 27C o colapso térmico é iminente e pode causar a morte.

Isso não é exagero e acontece realmente. Os primeiros sinais são as orelhas e patas vermelhas, prostração e olhos vidrados. Depois convulsões, AVC e morte.

Em épocas quentes, com temperaturas acima de 23 graus é FUNDAMENTAL mante-los em um ambiente refrigerado.

ATENÇÃO ! VENTILADORES NÃO SERVEM POIS FURÕES NÃO TRANSPIRAM !

Um recurso muito importante que pode salvar a vida do seu amigo é ter sempre no congelador (freezer) DUAS garrafas PET de 2 litros com água congelada.

Caso necessário, coloque a garrafa dentro de uma meia para evitar a condensação e que molhem a gaiola e o que estiver dentro delas, e deixe-a dentro da gaiola. Coloque cubos de gelo na água de beber. Isso pode ser a diferença entre a vida e a morte !

Ter as garrafas com água congelada é fundamental, no caso de falta de energia elétrica, as garrafas ficarão frias por 8 a 10 horas.


2 – Parasitas diversos – GRAU 1 a GRAU 2

Pulgas, carrapatos, vermes e similares são facilmente tratáveis. Examine a pele do animal por marcas estranhas e se ele está eventualmente com diarréia ou perda de peso. Leve ao veterinário para que seja medicado corretamente.

Alguns tipos de vermes podem se alojar no coração e outros órgãos, sendo potencialmente fatais.

Parasitas são facilmente combatíveis com medicação adequada.

Vermífugos e parasiticidas devem ser dados periodicamente, sob orientação do veterinário.


3 -Doença adrenal – GRAU 3

É uma das três doenças principais que um furão pode adquirir. É um tema muito extenso para ser discutido aqui, mas se notar queda de pelos, principalmente na cauda, é um forte indício desta doença, que é tratável. É muito importante começar a tratar no início, pois o tratamento tardio comprometerá muito a qualidade de vida.

É um tipo de tumor que afeta as glândulas adrenais (glândula supra renal ou AD renal), que são responsáveis pela produção de vários hormônios que controlam o balanço de potássio e sódio, os que controlam a absorção e metabolização de nutrientes, controle de inflamações e hormonios sexuais como estrogenio e progesterona.

Esses hormonios tem interações complexas com outros órgãos que por sua vez secretam outros hormônios. Resumindo, as glândulas supra renais controlam indiretamente os níveis de açúcar e outros eletrólitos no sangue, pressão arterial e batimentos cardíacos, além da adrenalina, dopamina e nor-adrenalina.

É uma doença sistêmica, que afeta o corpo todo.

As glândulas foram danificadas por algum fator como:

  • Câncer
  • Fatores genéticos
  • Uso excessivo de alguns tipos de medicamentos com base em hormônios para tratamento de alguns tipos de doenças
  • Produção excessiva de cortisol
  • Excessiva exposição a luz (fotoperíodos), ou seja, poucos períodos de escuridão total resultando em baixa produção de melatonina.
  • Excessiva produção do hormônio LH, que causa super estimulação das glândulas adrenais.
  • Castração/esterelização antes da idade adequada , ver seção V

Principais sintomas:

  • Perda de pelo
  • Dor abdominal
  • Urinação frequente / Problemas urinários
  • Secreção pelos órgão reprodutivos
  • Cistos no trato genital
  • Órgãos genitais inchados
  • Desordens sanguíneas
  • Tumores nas glandulas adenais.
  • Anemia
  • Hipoglicemia
  • Aumento de potássio no sangue
  • Tremores
  • Letargia
  • Arritmia cardíaca
  • Desidratação
  • Perda muscular
  • Úlceras gástricas
  • Perda de densidade óssea

Todas essas condições diminuem a qualidade de vida. Essa doença PRECISA ser tratada e controlada, pelo bem estar do seu amigo.

O diagnóstico é feito pelo veterinário, por meio de exames específicos para diagnosticar corretamente o problema, pois outras doenças podem causar sintomas similares, como por exemplo, o linfoma, infecções do trato urinário e cistites.

Exames de raios-X podem ser necessários para detectar tumores, cistos,  aumento do baço e do fígado.

Normalmente o tratamento é cirúrgico e/ou hormonal. Muitas vezes a doença tem remissão.

O tratamento cirúrgico consiste na remoção da glândula afetada, sendo que a remoção da glândula direita é mais complicada do que a da esquerda. Em certos casos há necessidade de remoção de ambas as glândulas.

O tratamento hormonal é feito com implantes de acetato de desloreina e pode em boa parte dos casos resolver o problema, mas pode demorar alguns meses para fazer efeito. As vezes faz-se o uso de implantes sub cutâneos ou aplicação oral de melatonina (1mg/dia em horário específico), associados a outras drogas como Lupron ou Flutamida.

Em alguns casos é comum a ocorrência concomitante de insulinoma juntamente com a doença adrenal (glândula supra renal ou AD renal).

Links em inglês com tudo que você precisa saber:

Veterinary Partner

Ferret Adrenal Disease

Ferret Adrenal Disease (Long Beach Animal Hospital)


4 – Insulinoma – GRAU 3 a GRAU 4

É um tipo de cancer no pâncreas. Há evidência que alimentos ricos em açúcar podem contribuir para o aparecimento desta doença, por stress pancreático.

Normalmente basta um exame de dosagem de glicose no sangue para diagnosticar o insulinoma. O valor normal para a taxa de glicose é entre 95 e 120. Valores muito mais baixos que isso de forma frequente caracterizam produção excessiva de insulina e consequentemente suspeita de insulinoma. Quando há suspeita de insulinoma, também é pedido um exame para a dosagem de insulina no sangue.

Requer acompanhamento e tratamento ao longo de toda a vida !

A Hipoglicemia pode ser fatal.

Sintomas mais comuns:

  • Perda de peso
  • Letargia
  • Salivação
  • Fraqueza nas pernas
  • Apatia, falta de energia
  • Levar as patinhas na boca.
  • Convulsões
  • Desmaios
  • Taquicardia
  • Coma hipoglicêmico
  • Tremores
  • Confusão
  • Depressão

Muito relutantemente resolvi incluir mais informações sobre esta doença, mas devido à situação de um dos furões de uma amiga, senti o dever de faze-lo.

Insulinoma é a designação de dois tipos de cânceres de pâncreas e ambos tem a característica de produzir uma quantidade excessiva de insulina, o que causa desbalanços enormes na taxa de açucares no sangue, o que pode levar nos casos mais graves, coma diabético e morte.

Tipicamente esse tipo de tumor ocorre em furões com idades entre 4 e 6 anos, mas podem ocasionalmente serem encontrados em idades fora deste intervalo.

Também acontecem casos de insulinomas concorrentemente com outras formas de cancer e de outras doenças, por isso o diagnóstico correto é extremamente importante.

Existem dois tipos:

Insulinoma Comum – É menos agressivo e se for tratado no estágio inicial a expectativa de vida aumenta bastante, mas necessita de vigilância total por toda a vida.

Insulinoma Difuso – É bastante agressivo e de difícil tratamento, com a expectativa máxima de vida em torno de menos de dois anos, sendo sorte se for mais de um ano.

Ambos normalmente são malignos.

O tratamento de escolha pode ser cirúrgico com a remoção de parte do pâncreas ou a base de medicamentos, como predisona e outros esteróides, dependendo da idade e do estágio da doença. O uso de esteróides só pode ser feito com acompanhamento médico pois pode causar úlceras e hemorragias gástricas potencialmente fatais.

É muito importante não dar nenhum tipo de alimento com açucares e deve-se evitar carboidratos ao máximo. Se isso for feito, o pâncreas afetado secretará uma quantidade imensa de insulina na corrente sanguinea que poderá causar choque diabético ou mesmo morte. A alimentação deverá ser oferecida diversas vezes ao dia e cuidadosamente monitorada.

Siga corretamente o tratamento indicado pelo seu veterinário especialista, assim como ações de urgência.

Links importantes:

Insulinoma em The Spruce

Ferretcentral.org

MSPCA.org

Miami Ferret

All About Ferrets


5 – Linfomas de diversos tipos. GRAU 3 a GRAU 4

São canceres do sistema linfático e podem ser divididos em dois grandes grupos, os linfomas propriamente ditos e os linfosarcomas. O assunto é tremendamente extenso e complexo e somente pode ser diagnosticado por um médico veterinário.

A causa ainda não é totalmente conhecida, mas existe suspeita que possa ser causada por algum tipo de vírus. São o tipo mais comum de câncer em furões.

Os sinais são muito variáveis e geralmente não aparecem sintomas até que o animal já esteja bem doente. Os sintomas são comuns a vários tipos de doenças, motivo pelo qual é absolutamente necessário levar seu furão ao veterinário para exames periódicos !

  • Gânglios linfáticos inchados
  • Baço muito aumentado
  • Letargia extrema
  • Dificuldade de respirar
  • Outros

O diagnóstico é feito por biópsia e exame de sangue.

O tratamento, quando feito no início tem taxa de sucesso de 75% e é baseado em quimioterapia. A expectativa de vida pós tratamento, quando bem sucedido é de até mais 2 anos.

Não sou médico, portanto não tenho como entrar em detalhes médicos sobre este assunto, pois seria uma tremenda irresponsabilidade.

Prefiro que leiam estes excelentes artigos (novamente em inglês).

Diversos textos por veterinários e hospitais veterinários renomados

As três doenças anteriores, doença adrenal, insulinoma e linfoma são as conhecidas “Big 3” e devem ser levadas muito a sério.


6 – ADV (Virus Aleutiano) – GRAU 3 a GRAU 4

Compromete o sistema imunológico. Não tem cura nem tratamento. A sobrevida depende de fatores desconhecidos. É altamente contagiosa. Não tenho conhecimento de ocorrência no Brasil, e praticamente todo o material existente sobre o assunto é em inglês.

ADV in Ferrets

ADV – American Ferret Association


7 – Raiva e Cinomose – GRAU 5

Raiva e Cinomose (Esgana canina) são doenças virais que tem sempre evolução fatal em furões, e a única maneira de evita-las é protege-los por meio da aplicação de vacinas específicas periódicas.

Essas vacinas são específicas e devem ser aplicadas anualmente por um veterinário qualificado e o animal deve ser observado por um período de até 30 minutos após a aplicação para monitorar qualquer reação adversa.

A raiva é uma doença MUITO séria transmitida por vírus. A contaminação se dá por mordidas de animais infectados como ratos, gatos, cães, morcegos, guaxinins e outros mamíferos, e também pelo consumo da carne de um animal infectado.

A raiva pode ser transmitida para humanos e é igualmente fatal.


8 – Úlcera Gástrica e Gastrite – GRAU 4

É comum que furões com doença adrenal sejam tratados com corticóides como predisona, e é fato conhecido que essa classe de medicamentos tem como um dos efeitos colaterais a possibilidade de indução à formação de úlceras gástricas, que se não tratadas levam a óbito em pouco tempo por hemorragia estomacal.

Todos os tratamentos envolvendo corticóides devem ser feitos com muita atenção e unicamente sob orientação veterinária.

Objetos estranhos retidos no estômago podem causar úlceras hemorrágicas ou perfurantes, com grande chance de óbito.

O sinal típico de hemorragia gástrica são fezes NEGRAS (melena).

Se o seu ferret apresentar fezes negras, leve IMEDIATAMENTE ao veterinário !

Existe um tipo de gastrite causada pela bactéria Helicobacter mustelae que é chamada de gastrite helicobacteriana. Esta bacteria vive no estomago.

Normalmente ocorre em indivíduos jovens com menos de 6 meses. A bactéria causa grandes úlceras na mucosa intestinal, que por sua vez causam hemorragia.

Os animais com essa condição estão sempre desidratados devido a falta de apetite e sede. A perda de fluidos por diarreia, vomito ou falta de beber leva a morte se não tratada rapidamente.

O tratamento depende do estágio da doença, indo de Pepto-Bismol e inibidores de produção de secreção ácida até a combinação de antibióticos específicos.

Urgencia: Altíssima


9 – Bloqueios intestinais – GRAU 4

Outro problema muito comum são os bloqueios intestinais, que também pode levar a morte em pouquissimo tempo. Furões são conhecidos por adorarem comer borracha, pásticos macios e mesmo tecidos fibrosos. Esses materiais podem facilmente causar bloqueios intestinais. Fique sempre atento se há produção de fezes e a sua aparência.

Objetos pequenos e regulares podem ser vomitados ou podem passar pelo trato intestinal sem maiores problemas. Objetos maiores podem bloquear total ou parcialmente o intestino levando a dores, vômito, falta de apetite, perda de peso, perda de pelos, diarréia e até mesmo morte se não resolvido o problema.

É de vital importância, que o animal seja levado ao veterinário o quanto antes.

Urgencia: Altíssima


10 – Gripe e resfriado – GRAU 2 a GRAU 4

Os diversos tipos de vírus de resfriado e gripe são facilmente transmissíveis para furões. O contato com pessoas doente deve ser evitado ao máximo, pois a doença, que é simples em humanos tem um poder danoso muito maior nesses animais, podendo evoluir para óbito.

Se você estiver resfriado ou gripado, use uma máscara cirúrgica e mantenha as mãos desinfetadas com álcool ao lidar com os furões, assim como todos os objetos que tocar.


11 – Diabetes – GRAU VARIÁVEL

Esta doença é idêntica à que o corre em humanos, com as mesmas causas: fatores genéticos e ambientais.

Evite dar qualquer alimento rico em açúcares e carboidratos para furões. Eles são carnívoros obrigatórios e não necessitam e nem podem comer doces, batatas, biscoitos, pães e similares. Esses alimentos acabam por induzir diabetes tipo 2 nesses animais.

Dependendo ao estágio e gravidade é necessária a aplicação de insulina e medições frequentes da glicemia.


12 – ECE (Enterite Catarral Epizootica)GRAU 2 a GRAU 4 em adultos

Atencão !

A ECE causa diarreia VERDE !

Nos EUA é chamada “Green Slime” ou “Gosma Verde”. A causa provável é um coronavirus, mas não se tem certeza ainda.

Os sintomas podem ser vagos:

  • Diarréia (em vários graus, indo de aquosa clara a escura)
  • Letargia
  • Olhos sem vida

Ferrets jovens parecem ser imunes a ECE, porém indivíduos de idade mais avançada ou com outros problemas podem morrer.

Não existe tratamento específico além do suporte básico e tratamento sintomático, como hidratação com eletrólitos, alimentação manual e antibióticos para prevenir infecções oportunistas. Animais contaminados devem ser isolados durante o período.

A taxa de mortalidade é de 10%, mas podem haver recidivas após a cura.

Todo o material que esteve em contato com os animais infectados deve ser esterelizado cuidadosamente com solução de hipoclorito de sódio (“cloro”), assim como as mãos do cuidador.


13 – DesidrataçãoGRAU 2 a GRAU 5

A desidratação, seja causada por calor e falta de ingestão de água, ou por diarréia pode ser fatal em 24 horas se não tratada imediatamente.

Mantenha pelo menos duas fontes de água limpa e fresca a disposição 24 horas por dia, 7 dias por semana. Vou repetir isso inúmeras vezes !

No caso de desidratação por diarréia, é necessária a reposição de eletrólitos e é altamente aconselhável a visita a um veterinário, pois pode ser necessária a aplicação de soro intravenoso.


14 – Gastroenterite Eosinófilica (EGE)GRAU 2 a GRAU 3

É uma doença não muito comum e geralmente associada a furões com mais de 6 meses de idade.

Sintomas incluem:

  • Diarréia com ou sem sangue ou muco
  • Vomitos ocasionais
  • Desidratação
  • Perda de apetite
  • Perda de peso

É diagnosticada por combinação de exame de sangue , de fezes, endoscopia e biópsia. A causa é desconhecia, mas suspeita-se que seja causada por algum tipo de alergia a alimentos, parasitas ou mesmo a um sistema imunológico muito ativo.

O tratamento é sintomático a base de parasiticidas, antibióticos e esteroides. As vezes recomenda- se uma variação na dieta.


15 – CardiomiopatiaGRAU 2 a GRAU 4

Requer tratamento médico. Os principais sintomas são tosse frequente e fraqueza.


16 – Vômitos – GRAU1 a GRAU 4

Podem ser causados por diversos fatores, desde uma indisposição digestiva até uma causa neurológica. Outras causas são intoxicações diversas, enjoo causado por movimento e labirintite.

Causas comuns:

  • Mudanças na dieta
  • Ingestão de alimentos em más condições de higiene, com bactérias, etc.
  • Doenças infecciosas, como ECE e helicobacter, por exemplo
  • Ingestão de corpos estranhos
  • Stress
  • Reação a vacinas e medicamentos
  • Traumas neurológicos

Vomitos podem ser altamente debilitantes. Se notar que não melhora ou tiver suspeita de qua algo sério tenha ocorrido, leve imediatamente ao veterinário.

Hidratação é absolutamente fundamental nesses casos.


17 – Diarréia (Caso Genérico) – GRAU1 a GRAU 4

Os sintomas dependem da causa e da severidade do problema. Normalmente as fezes mostram-se aquosas ou pastosas, distensão abdominal, dor abdominal e letargia.

Se perdurar por muito tempo pode causar desidratação, por vezes severa com risco de morte. Leve ao veterinário caso a diarréia dure mais do que um dia.

As modalidades inflamatória e infecciosa são condições sérias que podem causar danos na mucosa intestinal, levando a má absorção de nutrientes e outros problemas igualmente sérios.

Causas comuns de diarréia são:

  • Infecções bacterianas (helicobacter mustelae, campylobacter, clostridium)
  • Infecções virais (rotavirus, coronavirus)
  • Parasitas intestinais (coccidia, giardia, cryptospiridium) que também afetam humanos e outros animais
  • Doenças metabólicas ou sistêmicas, quase sempre cronicas e debilitantes.

Ver tópico específico sobre diarréia


18 – Prisão de ventre – GRAU VARIÁVEL

Os sinais incluem, esforço para defecar, vocalizando ao tentar passar um movimento intestinal, volume de fezes escasso, reduzido ou ausente, fezes finas e aquosas. Administrar laxante ou medicação para de bola de pêlo  a cada 4 horas por 3 a 4 doses.

Se nenhuma melhora for observada, consulte seu veterinário, pois pode ser um bloqueio intestinal, e isso pode levar à morte.


19 – Babando e ou pateando freneticamente  boca : GRAU 4

Sintoma de um tumor secretor de insulina do pâncreas (insulinoma) ou úlceras estomacais graves. Sinais podem ser indicativos de uma crise iminente. Veja convulsões.

Requer avaliação urgente do veterinário.


20 – Perda de pelo – Necessita de avaliação

Também chamada de Alopécia ou rabo de rato, a perda de todo o cabelo na cauda, ​​é um sinal comum de estresse em um furão. Quando o estresse é eliminado, o pelo volta a crescer na próxima muda, no outono.

Perda de pelo persistente, começando na base da cauda e gradualmente subindo pelas costas e ao longo de todo o corpo, pode ser um sinal de carcinoma adrenal, uma doença que é remediada pela remoção cirúrgica da glândula adrenal afetada. Se não for tratada, esta condição acabará por levar à morte.

Se for em locais pequenos a causa pode ser uma infecção bacteriana ou fúngica na pele, geralmente de tratamento fácil. Se for em grandes áreas, de maneira difusa, a causa pode ser metabólica, má alimentação (alimentação deficiente) ou então displasia folicular.


21 – Coceira

Pode ser localizada ou generalizada. As causas incluem pele seca, ambiente seco, alergias, parasitas ou problemas metabólicos. Tente dar banho com xampu suave seguido de creme , permitindo tempo de contato adequado com a pele. Certifique-se de enxaguar bem. Se os sintomas persistirem por mais de 48 horas, consulte seu veterinário.


22 – Manchas vermelhas na barriga e ou urticária

Muito provavelmente, uma reação de hipersensibilidade aguda a um alérgeno que foi contatado ou inalado. O material da caixa de dejetos é frequentemente o responsável. Tente uma marca diferente e dê banho no ferret.


23 – Espirros

Geralmente ocorre em surtos. As causas incluem alergias ao pó ou frio. É importante saber que os seres humanos podem transferir o vírus da gripe para furões com muita facilidade. Portanto, se você estiver exibindo sinais de resfriado ou gripe, tenha cuidado ao manusear e interagir com seu furão.


24 – Soluços

Furões com soluços não são algo incomum. Ocorre com mais frequência nos mais novos e a situação pode ser aliviada dando água para beber ou algum tipo de gel nutriente , Ferretone ou similar para eles lamberem. Uma massagem bem de leve na região do diafragma pode ajudar a aliviar os sintomas.

Se continuar por muito tempo, é prudente fazer uma visita ao veterinário.


25 – Aumento do Baço – GRAU 1 a GRAU 4

Durante um exame físico, o veterinário pode identificar um aumento no tamanho do baço, especialmente se seu amigo já tiver uma certa idade. Embora não seja sinal de alguma doença específica, faz-se necessária uma investigação para determinar a causa, pois é um fato sério e exames laboratoriais são a maneira de correta de proceder neste caso.

Várias doenças podem causar o aumento do baço, desde uma simples inflamação, infecções bacterianas ou virais, tumores, câncer ou doença cardíaca.

Novamente, um baço aumentado é uma condição séria que exige testes para determinar a causa e o tratamento correto.

No caso de os testes não identificarem nada, o médico veterinário pode optar pela remoção do baço nessas condições, pois um baço aumentado é mais propenso a danos e causar hemorragia interna com risco real de morte.


26 – Anemia Aplastica GRAU 3 a GRAU 4

É uma condição seríssima, onde a medula óssea foi completamente inibida, não produzindo mais novas hemáceas, leucócitos e plaquetas, levando à morte.

Esta condição ocorre em fêmeas que não foram esterelizadas pela remoção dos ovários (diferente de ligadura de trompas). Quando as fêmeas de furões entram no cio, elas não saem desta condição a não ser que acasalem, e isso causa a anemia aplastica.

A produção excessiva de hormônio estrogênio é o que causa esta condição.

O tratamento inicial é por terapia hormonal para por fim no cio, seguido por antibióticos e reposição de vitaminas e ferro. Em diversos casos há necessidade de transfusão sanguinea. É um tratamento longo e caro e se não for feito a evolução é sempre fatal.

Por isso é que se a femea em questão não for uma matriz reprodutiva, deve ser obrigatoriamente esterelizada entre os 4 e 6 meses de idade.


II – Cuidando do seu Amigo se ele estiver doente

Furões doentes ou feridos desidratam-se facilmente. Uma vez que ele tenha “ido para baixo” é sempre difícil traze-los de volta. NUNCA ATRASE O TRATAMENTO !

Mesmo que você pense que ele está comendo e bebendo, eles podem não estar obtendo calorias suficientes ou eletrólitos. É sempre uma boa prática alimentá-los à mão quando você não tiver certeza.

Furões realmente doentes devem ser alimentados a cada quatro horas. Eles tem um sistema digestivo rápido, tudo o que eles comerem literalmente sai do sistema digestivo entre 4 e 5 horas. Quando estiverem doentes, dê eletrólitos, pois isso as vezes faz milagres.

É importante mante-los aquecidos, mas jamais use qualquer tipo de aquecedor ! Mantinhas de microfibra são o que há de melhor para isso.

Furões são animais muito sociais e rapidamente se tornam apegados ao dono. A melhor coisa que você pode fazer por um furão doente é segurá-lo. Contato e o som da sua voz são importantes para o bem estar dele.

(Ann Davis, MiamiFerret.org)


III – SINTOMAS QUE PODEM LEVAR A EMERGÊNCIAS COM AMEAÇA À VIDA

(material traduzido de http://miamiferret.org/ffaid.htm#redflag)

Hemorragias e sangramentos:

Hemorragias são sempre algo sério e precisam ser investigadas e tratadas imediatamente ! Um furão é um animal de pequeno porte e qualquer perda de sangue pode se tornar fatal devido ao pouco volume de sangue que esses animais tem.

Em qualquer caso LEVE IMEDIATAMENTE AO VETERINÄRIO !

Sangue na boca: Pode ir desde uma mordida na lingua até coisas mais graves, como perfurações nos órgãos tais como pulmões, estômago, etc.

Sangue nas fezes: Igualmente complicado para um leigo avaliar, pode ir desde uma fissura anal até câncer intestinal.

 

Mordidas de animais e ferimentos profundos:

Limpar a área afetada com água oxigenada se a ferida não for profunda. Hemorragias devem ser estancadas por pressão direta. Levar para avaliação veterinária.

Respiração pesada ou difícil / com som / fluidos / boca aberta:

Levar imediatamente ao veterinário independente da causa !

Fraturas:

Manifestada pela incapacidade de manter a postura normal sem dor, apoiar o peso normalmente ou andar normalmente. O Furão pode vocalizar chorando ou fazendo algum outro som ao ser pego. Pode haver inchaço visível ou interno, com sensibilidade na área afetada. Levar imediatamente ao veterinário.

Entorses e distensões :

Animal relutante em andar ou suportar peso, ou o faz anormalmente ou com dificuldade. Restringir a atividade até que a atenção médica possa ser procurada.

Queimaduras:

Não químicas: aplique compressa de água fria, e depois pomada antibiótica com cuidado ou gel de aloé vera. Se for queimadura química, o mesmo procedimento, mas lave com água fria antes.

Sufocamento, vômito:

Podem ocorrer por múltiplas causas como corpos estranhos no esofago, danos pulmonares, etc. Levar imediatamente ao veterinário.

Convulsões:

Se o furão for capaz de engolir sem se sufocar, tente dar xarope de glicose ou mel (1 a 2 ml). Proteja-o para que não se machuque !

Luxações

De qualquer membro ou articulação: Inchaço no local. Restringir a atividade ou imobilizar com uma toalha e levar ao veterinário.

Afogamento:

Mantenha furões longe da água! Eles só podem nadar por alguns minutos antes de sucumbir à exaustão. A quantidade de cloro normalmente presente nas piscinas pode ser extremamente irritante para os olhos de um furão.

Lesões nos Ouvidos :

Podem variar de mordidas e arranhões a avulsões (arrancamento de tecido). Pequenas feridas podem ser limpas e pomada antibiótica aplicada. Pare o sangramento , se houver, com pressão direta. Nunca insira um cotonete profundamente no canal auditivo, pois pode ocorrer ruptura do tímpano.

Mordida de cabo elétrico / choque :

Queimaduras dos lábios e gengivas podem ser visíveis. O furão pode estar deitado de lado com dificuldade de respirar. A consequência mais comum do choque elétrico é o edema pulmonar (acúmulo de líquido nos pulmões), com consequências potencialmente fatais, mesmo passado algum tempo do acidente. Requer que o animal fique em observação por um veterinário.

Lesões oculares:

Podem incluir arranhões, lesões perfurantes, corpos estranhos, traumas químicos ou contato corneano. Todas as lesões oculares são emergências médicas absolutas.

Desmaio ou perda de equilíbrio :

Manifestado pelo colapso ou  fraqueza generalizada ou restrita aos membros posteriores. Pode ser um problema cardíaco ou metabólico. Tente dar 1-3cc de xarope Karo ou mel, apenas se o furão puder engolir.

Geladura / hipotermia :

Massageie suavemente as extremidades e o corpo. Mantenha o processo de aquecimento gradual. As almofadas de aquecimento podem ser usadas se forem mantidas em “baixo” e a o animal for verificado com freqüência. A descoloração azulada ou preta da pele ou dos membros é muito grave.

Ferimentos na cabeça  :

Se o furão estiver inconsciente ou sangrando pelas orelhas / nariz / boca, mantenha-o na horizontal e imobilizado. Mantenha o movimento a um mínimo absoluto, já que lesões cervicais (pescoço) geralmente ocorrem junto com ferimentos na cabeça; muito movimento pode resultar em lesão permanente ou paralisia.

Requer assistência imediata !

Insolação

Nunca deixe um furão em uma área fechada ao sol sem sombra adequada. Nunca deixe um ferret no carro com as janelas fechadas … mesmo com elas abertas, furões podem superaquecer facilmente. Envolva imediatamente em uma toalha fresca e úmida. Refresque-o com água fria a cada dois minutos. Repita o procedimento até que a temperatura corporal esteja abaixo de 39,5 graus.

Perda de cor das gengivas e nariz:

As gengivas e o nariz devem estar rosados. Gengivas pálidas ou brancas são um problema grave. Pode indicar sangramento ou choque interno. Por outro lado, as gengivas que são vermelhas brilhantes são o sinal de um problema sério, como toxemia (infecção sistêmica avassaladora).

Traumatismos do nariz, face e mandíbula / hemorragias nasais :

Se a hemorragia nasal for menor, aplique pressão direta usando tecido de gaze, etc. Fraturas no nariz, na face e nos maxilares ou ferimentos são graves, e o manuseio deve ser reduzido ao mínimo. Transporte furão para o veterinário envolto em uma toalha.

Lesões na coluna ou nervo:

Os sintomas podem incluir marcha vacilante, sensibilidade, dificuldade em respirar ou incapacidade de mover pernas dianteiras, pernas traseiras ou ambos. Requer assistência imediata !

Inconsciência :

Se possível, anote cuidadosamente para que você possa dizer ao veterinário se o furão está respirando rápida ou lentamente, se as pupilas estão dilatadas ou muito pequenas, se os músculos são flexíveis ou duros e se ele responde a vozes e / ou toques. Requer assistência imediata !

Dificuldades de urinar:

Esforçando-se para urinar, incapacidade de urinar, produzindo pequenas quantidades de urina ou cor anormal na urina. Pode indicar infecção, pedras na bexiga ou obstrução do trato urinário, que podem ser fatais. Requer assistência imediata !


 IV – Higiene básica: Banhos e Orelhas

A orientação geral é de não dar banho mais do que uma vez a cada 3 meses, com shampoo especial para furões ou na pior hipótese shampoo para bebes, que seja absolutamente neutro. Quanto menos perfume melhor, pois pode causar problemas respiratórios. Se banhar com frequencia, o problema irá piorar, pois a pele irá produzir mais óleo ainda.

As orelhas devem ser mantidas limpas, pois a cera é habitat de certos tipos de ácaros que podem incomodar bastante nossos amigos. Se não tiver cuidado nem habilidade para fazer, leve ao veterinário.


V – Esterilização / Castração

A regra simples é: Se seu furão não tiver como objetivo a reprodução, eles devem ser esterelizados quando atingirem a idade recomendada.

Por que isso ?

Perguntei à minha amiga Brenda Johnson sobre o assunto, e ela com seus mais de 20 anos de experiência no assunto respondeu-me o seguinte”

“Acredito que em alguns aspectos pode haver responsabilidade dos criadores a respeito das altas taxas de doenças em furões. Eles neutralizam sexualmente os animais antes de eles terem passado pelo período de puberdade e isso prejudica alguns aspectos do desenvolvimento deles (***) . Mas há mais do que isso nessa estória.

Cada ano de vida de um furão equivale a 12 anos “humanos” . Quando eles tem 3 anos de idade, significa que teriam uma idade equivalente à de um humano de 36 anos. O processo de decaimento do corpo humano inicia-se depois dos 30 anos e isso ocorre de forma similar com os furões, por isso que a maioria dos problemas de saúde começam a manifestar-se depois dessa idade.

No nosso abrigo, tivemos casos de furões que foram tardiamente castrados (já em idade adulta) que também tiveram os mesmos problemas de saúde. Master Largo (um dos nossos furões) chegou aqui a partir de uma horrível situação de resgate. No final ele teve a doença adrenal mesmo assim. Ele teve ambas as glândulas adrenais removidas e eu tive que administrar cortisol injetável diariamente pelo resto de sua vida.

Uma grande parte dos problemas de saúde, em minha opinião, são mais devidos ao decaimento biológico em si por causa da idade do que pelas práticas adotadas por criadores em relação à neutralização como, por exemplo, a Marshall. Será que a neutralização mais tardia ajudaria ? Talvez, mas as pessoas querem sempre furões bem novinhos, e a maioria dos donos não estão dispostos a arcar com as despesas da cirurgia e isso causa diversos outros problemas na comunidade.

Muitas fêmeas com certeza acabam por morrer de anemia aplasica(*) e muitos machos apresentam uma incrível agressividade(**).

Como os furões acabam sendo tratados como uma mercadoria, acredito que a Marshall no final está fazendo o que ela acredita ser melhor para os furões. Se você tivesse me perguntado isso 20 anos atrás, a minha resposta provavelmente teria sido diferente.

Brenda Jonhson / LFFRS “

(*) No caso de femeas, elas após entrarem no cio, este não termina espontaneamente, levando à anemia aplástica (item 27), com consequencia fatal se não tratada em questão de dias. Há inúmeros relatos de fêmeas que morreram de anemia aplastica porque os donos não identificaram o problema ou porque não tiveram como arcar com o custo do tratamento, que deve ser repetido a cada cio, sob pena de morte certa se não realizado !

(**) No caso de machos, eles geralmente são bastante agressivos quando não castrados e as vezes brigas sérias podem acontecer com outros furões ou mesmo outros animais. Se um furão nessas condições resolver atacar um cão, a coisa tende a acabar muito mal.

(***) Se a neutralização for feita na idade adequada (pós puberdade), não há o menor problema e eles viverão felizes. Mas se for feita muito cedo, algumas pesquisas associam essa prática ao aparecimento precoce da chamada doença adrenal (item 3), mas há inúmeros relatos de furões adquiridos neutralizados que viveram mais de 6 anos, alguns até 10 e também de furões não neutralizados que tiveram doença adrenal aos 4-5 anos de idade. Segundo vários especialistas, o aparecimento da doença adrenal está também relacionado à idade e à quebra do ciclo claro/escuro sazonal do que à neutralização precoce.

Se as pessoas se contentassem em adquirir apenas furões com mais de 4-6 meses esse problema não existiria.