Você, humano, certamente já ficou estressado ou mesmo p&ˆ$ da vida com alguma coisa ou pessoa. Pois bem, saiba que literalmente TODOS os animais podem (e passam) por isso e alguns, infelizmente suportam este tipo de situação por longos períodos, as vezes por anos sem que nenhuma providência tenha sido tomada ou sequer a situação causal tenha sido identificada pelo tutor.

Stress constante acaba com a saúde de qualquer ser vivo, e dependendo da causa pode ser equiparado à tortura e maus-tratos.

Falemos especificamente de furões, mas certamente tudo que for descrito aqui pode ser aplicado a outros animais.

Furões precisam de ambiente silencioso e calmo. Eles odeiam gritos, latidos, música alta e sons de máquinas. Precisam de local adequado e tempo para dormir. E por fim, precisam de pelo menos de 4 a 6 horas de atividades diariamente. Não devem ser expostos a temperatura alta (>26 graus) por muito tempo, temperaturas de 28-29 graus já são consideradas fatais se por mais que 20-30 minutos.

Sinal 1 – Furão urinando em todos os lugares e constantemente

Verifique antes se a causa não é uma infecção das vias urinárias ou diabetes elevado. Isso pode ser feito através de exame de urina e de sangue, por um veterinário.

Descartada a hipótese acima, a causa é na imensa maioria dos casos, da necessidade que o animal tem de demarcar seu território para alertar outros animais, furões ou não, para que eles o deixem em paz. Isso é comum quando o furão não se dá bem com outros animais, como cães e gatos.

Sinal 2 – Furão morde pra valer

Furões em condições normais não mordem com o intuito de ferir, e sim mordiscadas eventuais como forma de comunicação. Se está mordendo com jeito de ataque ou defesa, ele certamente está sob stress.

Geralmente isso ocorre com furões que sofreram maus-tratos ou que estiveram sob stress por tempo prolongado.

A reabilitação nesses casos deve ser feita por pessoas muito experientes, com imensa paciência e dedicação e o processo pode demorar até um ano para ter sucesso.

Sinal 3 – Furão tem sono leve

Isso é ruim, muito ruim. Pode ter causas patológicas como ,por exemplo, dor ou ambientais, como falta de um local adequado para dormir, excesso de barulho, de odores e a presença de outros animais que o furão possa considerar como uma ameaça. Neste caso o furão não dorme, fica em vigília e o sono não cumpre a sua função. É uma situação potencialmente mortal no longo prazo e o furão tornará-se cada vez mais agressivo.

Descartada qualquer causa patológica, oferecer ao furão um local digno para descanso, com ESCURIDÃO TOTAL, SILÊNCIO E TEMPERATURA AMENA. Um local onde ele se sinta sobretudo SEGURO.

Sinal 4 – Furão urinando em seus brinquedos e “pertences”

Novamente, marcação de território, só que mais grave. É um sinal muito claro de stress causado por outros animais. Quando um furão chega a este ponto, algo tem que ser feito em relação ao problema.

Em casos extremos, pode ocorrer de urinar na própria comida, o que é uma situação de extrema gravidade, que geralmente demonstra um despreparo total do dono, e na quase totalidade dos casos a causa é a presença de outros animais no local. O furão neste ponto pensa que tudo é uma ameaça.

Solução: Entregar o furão a um grupo de resgate especializado para reabilitação, pois neste caso o dono está cometendo negligência severa (por desconhecimento ou não).

Observações Importantes:

Tenha bom-senso. Examine o ambiente e a linguagem corporal do furão.

Alguns problemas neurológicos e hormonais podem alterar muito o comportamento dos furões. Por exemplo, a doença adrenal e outras neoplasias podem eventualmente ocasionar um aumento absurdo nos níveis de testosterona, o que aumenta a agressividade. Dor constante é outra possível causa.

Desconfiando de algum problema de saúde, leve imediatamente seu furão a um veterinário especializado em furões e não em um generalista sem experiência nesses animais.

Lembre que furões são dóceis. Se estão agressivos sempre há um problema por trás, seja ambiental ou patológico.