Texto de caráter informativo  !

Consulte seu veterinário !

Nota:

Cabe sempre ao tutor decidir se irá vacinar ou não seu furão. Mas lembre-se que é uma questão de responsibilidade e de consideração com ele. 

Vacine seus animais e seus filhos. Não vacinar, somente em casos especiais, quando existe problema conhecido de alergia severa por parte de alguém. Agradeça às vacinas o mundo estar praticamente livre da varíola e da poliomielite, essas vacinas podem inclusive ter salvo a SUA vida.

Se você acha que vacinas fazem mal, então não tome VOCÊ !

Vacinação contra Cinomose (Esgana Canina ou Canine Distempter)

Cinomose é uma infecção aguda de origem viral com taxa de mortalidade de quase 100%, que causa grande sofrimento ao animal. O vírus em questão é o CDV, da família dos Morbilivirus e é altamente contagioso. A infecção se dá pelo ar, por gotículas de saliva, urina e fezes. O tempo de incubação é curto, entre 3 e 6 dias.

A doença ataca o sistema imunológico, e causa dano severo a mucosas e tecidos conjuntivos. Dificilmente o animal sobrevive mais de 15 dias depois de aparecerem os sintomas. Os sintomas principais são o aparecimento de crostas nos olhos, nariz e patas, e sintomas parecidos com gripe e conjuntivite.

Mesmo que você não tenha cães em casa ou não sair com o seu furão na rua a possibilidade de transmissão da cinomose ao seu furão é real e existe !

O vírus é transmitido pelas secreções e por excrementos. Basta você ir a rua e pisar em alguma coisa (baba, urina) e ir para casa, portanto uma importante via de contaminação é trazer o vírus para casa nos seus sapatos ou roupas.

O vírus sobrevive vários dias em situações ambientais frios, tempo seco e ao abrigo da luz solar, e algumas horas nas condições mais adversas, sendo inclusive, mais resistente ao ambiente do que o COVID-19.

É obrigatório manter o animal sob observação por pelo menos 60 minutos após a vacinação contra cinomose e ter a mão as medidas emergenciais contra choque anafilático.

Referências:

Imagens fortes, recomenda-se cautela!

https://todaysveterinarypractice.com/focus-on-ferret-distemper-what-you-need-to-know/

https://petcentral.chewy.com/canine-distemper-in-ferrets/

https://ferretassn.org/about-ferrets/health/illness-disease/cdv-canine-distemper/

https://canterburyvet.com.au/2018/08/30/management-of-a-canine-distemper-virus-outbreak-in-a-ferret-rescue-facility/

https://www.msdvetmanual.com/exotic-and-laboratory-animals/ferrets/infectious-diseases-of-ferrets

Mas isso tudo pode ser evitado com a aplicação da vacina específica contra a Cinomose.

O padrão ouro de vacinação recomendado nos EUA é a partir das 8 semanas de vida, com reforço a dada 4 semanas até a idade de 14 semanas, e depois anualmente.

Note que todos os tipos de vacinas podem causar reações indesejadas, mas o benefício supera de longe o risco. Somente deixe de vacinar seu furão se for uma recomendação estrita do veterinário de sua confiança ! Veja por esse lado, antibióticos, anti-inflamatórios e muitas outras classes de medicamentos também tem seus riscos. Não culpe as vacinas , seja por não compreender o que elas realmente são, seja por teorias da conspiração ou coisas do tipo.

A vacina monovalente específica para Ferrets é produzida pela farmaceutica Merial (Purevax Ferret Distempter Vaccine) ou a monovalente Galaxy C, da Fort Dodge Saúde Animal. Estas vacinas não são encontradas facilmente no Brasil, por isso a nomalmente usada no país é a Nobivac Puppy, que é bivalente contra Parvovirose e Cinomose.

Uma vacina monovalente contém na sua composição material para imunizar contra um único tipo de doença, as bivalentes, dois tipos e assim por diante.

No caso de vacinas polivalentes (mais de um tipo de virus) o período de observação pós aplicação deverá ser estendido, pois o risco estatístico de uma reação alérgica/anafilática é o estatisticamente maior do de uma monovalente, mas não quer dizer que fará mal. No final dessa postagem, existe a diretriz para tratamento de reações adversas, com as devidas fontes citadas/

Notem que a Puppy é usada há anos sem maiores probemas no Brasil e em outros países que não dispõem das específicas (Portugal por exemplo), e o risco de um furão contrair Cinomose e ter o desfecho horrível certo, ao MEU ver justifica totalmente o seu uso.

A recomendação como primeira opção é a monovalente específica para ferrets, e na sua falta, a Puppy.

Não deixe de vacinar contra a cinomose !

Vacinação contra Raiva

A raiva é outra doença transmitida por virus que é 100% fatal em furões e em humanos se não tratada imediatamente. Este virus ataca o sistema nervoso.

A única proteção é a vacinação do seu furão. A vacinação é anual.

A vacina recomendada é a Rabisin da Rhodia.

O contágio é pelas secreções, como saliva e sangue, por exemplo por mordidas ou pelo consumo de carne de um animal infectado (por exemplo, um gato que come um rato contaminado, morcegos, etc.)

Reações à vacinas

Sempre existe algum risco se seu furão for vacinado com a vacina de uso canino contra a cinomose, ela não é recomendada para furões, mas na falta da específica pode ser usada com cautela.

Because of the high risk for ferrets to develop a vaccine reaction, if they are vaccinated with the standard CDV vaccine approved for dogs, it was not recommended for use in ferrets in the United States. In 1978, a fatal case of a vaccine-induced canine distemper virus infection was reported among 4 black-footed ferrets * in South Dakota. Insufficient attenuation of the vaccine for this species was assumed to be the cause of death.13 A similar case was reported in 2 young kinkajous (Potos flavus) in 1981. (Kazacos KR, Thacker HL, Shivaprasad HL, et al. Vaccination-induced distemper in kinkajous. JAVMA 1981;179:1166-1169.) (Carpenter JW, Appel MJ, Erickson RC, et al. Fatal vaccine-induced canine distemper virus infection in black-footed ferrets. JAVMA 1976;169:1-4.)

* Mustela Nigripes = Furão selvagem americano (não é o furão doméstico).

Não se recomenda a aplicação simultânea das vacinas contra cinomose e raiva em furões.

Novamente, É obrigatório manter o animal sob observação por pelo menos 60 minutos após a vacinação e ter a mão as medidas emergenciais contra choque anafilático.

Nota aos VETERINÁRIOS:

O tratamento de emergência consiste na aplicação IV de Solução de lactato de sódio 10ml/kg/hora, epinefrina 0,1 ml de solução 1:1000 subcutânea e metoclopramida 3mg/kg subcutânea, difenildramina 1mg/kg subcutânea,  mais oxigenio suplementar e estabilização de temperatura corporal

(Greenacre CB. Incidence of adverse events in ferrets vaccinated with distemper or rabies vaccine: 143 cases (1995–2001). JAVMA 2003;223:663-665.)

Fonte: TVP, Ferret Distempter: What You Need to Know